Relatório das atividades do PACE em Curimatá

FESTA JUNINA INAPE/ARETÉ
24 de junho de 2019

Relatório das atividades do PACE em Curimatá

Vejam nessa matéria o interessantíssimo trabalho de capacitação das pessoas.

Em convênio com o Instituto Beraca e a Aveda o Pace promoveu capacitações para os moradores das comunidades que não têm acesso a esse tipo de treinamento.

  • Capacitações do projeto nas comunidades planejadas: Baio, Boim, Flecha e Damásio.
  • Baio, Boim e Damásio – capacitação de empreendedorismo

→ Capacitação de artesanato.

*Em cada comunidade foram realizados 4 encontros. 

Morro do Boim- Empreendedorismo

Em maio de 2019, na residência da senhora Odetina, teve início a Capacitação em Empreendedorismo com o propósito de instigar os moradores da comunidade ao empreendedorismo.

Estiveram presentes 20 pessoas e foi abordado o assunto: “Mude sua vida, mudando sua maneira de pensar”.

Os participantes estiveram bem engajados em todo o momento da capacitação, foram bem prestativos e participativos, foram também encorajados a fazerem algo, a realizar mudanças, e alcançar sonhos.

Deu-se continuação à Capacitação em Empreendedorismo, com o objetivo de conhecer conceitos e algumas das principais características do empreendedor.

Com um total de 15 pessoas, falou-se sobre a capacidade de não se conformarem com o estado atual das coisas e diante disso, foram feitas perguntas como: “O que te incomoda, deixa inquieto ou com o que você não se conforma?”.

As respostas foram escritas em tarjas e coladas em papel madeira, assim pode-se fazer uma análise do que eles indagam, além de serem levantados questionamentos por meio do jogo rápido “Mito ou verdade”, relacionado aos assuntos abordados, para assim avaliar a assimilação do conteúdo.

Eles acertaram os questionamentos e ficavam empolgados pelo conhecimento adquirido momento, ali começaram a surgir novos olhares sobre si mesmos e seu entorno.

Artesanato

Em junho de 2019, aconteceu na comunidadeFlecha, o primeiro encontro de capacitação em artesanato, destinado a promover e inspirar os artesãos locais.

O palestrante falou sobre motivação, com a seguinte pergunta: Por que você faz o que faz?

O participante Davi(artesão que trabalha com palha de carnaúba) disse que o que o inspira a fazer o que faz é a paixão e o adolescente Maylon que trabalha com crochê, disse que sente paz ao fazer crochê.

O palestrante questionou se todos sabiam a diferença entre Meta, Objetivo e Propósito.

Explicando que Meta, responde à pergunta “O que?”, Objetivo responde à pergunta “Para que?” e Propósito responde à pergunta “Por quê?”.

Foi apresentado um vídeo motivacional reforçando o poder do propósito em tudo o que se faz. O sr. Eloy, fabricante de artesanatos variados, sentiu-se muito feliz por compreender o significado do que ele faz: “É interessante ouvir você dizer isso, porque a verdade é que na maioria das vezes fazemos nossos artesanatos e nem sabemos o porquê estamos fazendo”, “Eu fico feliz, agora entendo por que faço o que faço”.

Compreendeu-se a necessidade de iniciar a capacitação focando na motivação, pois foi observado o desânimo dos artesãos em fabricar suas peças, devido à falta de lucratividade e desvalorização dos seus artesanatos.

Foi explanado como tema principal a diferença entre TRABALHO MANUAL X ARTESANATO.

O palestrante ensinou que “Todo artesanato obrigatoriamente é um trabalho manual, porém nem todo trabalho manual é artesanato”.

Para finalizar o palestrante falou da carteira do artesão que facilita o artesão de ser reconhecido e ter seu trabalho valorizado, possibilitando-o a participar de feiras de artesanatos e a muitos outros benefícios.

Foi comentado sobre a qualidade dos produtos produzidos, quando esses são feitos visando apenas o lucro, esquecendo-se da qualidade em que os mesmos são feitos.

O palestrante explicou que o marketing visa trabalhar na qualidade e no relacionamento que o artesão tem que criar com o seu cliente em potencial, falou sobre o método AT-RE-VE, que é: ATRAIR, RELACIONAR E VENDER.

Discorrendo sobre os preços, o palestrante ensinou que para chegar no preço final era necessário serem colocados na calculadora os custos fixos, custos variáveis, impostos, depreciação de ferramentas e transportes e ainda porcentagem de lucro.

Disse que esse é um erro comum de muitos profissionais que calculam apenas o gasto com materiais e multiplicam por dois e acham que estão lucrando, sem imaginar o prejuízo que levam ao não precificarem seus produtos da maneira correta.

Baio e Damásio – Empreendedorismo

Aconteceu em maio de 2019, a Capacitação em Empreendedorismo, com o propósito de instigar os moradores da comunidade ao empreendedorismo.

Estiveram presentes 27 pessoas e nessa primeira reunião foi abordado o assunto “Mude sua vida, mudando sua maneira de pensar”, o motivo dessa metodologia se deu pelo fato de ser um caminho estratégico para o início e melhor assimilação de todo o conteúdo a ser apresentado nos próximos encontros.

Os participantes estiveram bem engajados em todo o momento da capacitação, foram bem prestativos e participativos, também foram encorajados a fazerem algo, realizar mudanças e alcançar sonhos.

Os comentários estão encerrados.